Índice do dólar americano recua das máximas de 20 anos


O índice do dólar dos Estados Unidos (DXY) recuou amplamente de sua corrida de alta predominante nas últimas duas semanas, caindo até 3,20% depois de atingir a alta de 105, a maior em duas décadas.

Riscos de sobrevalorização dominam o mercado do dólar

A correção do dólar americano nas últimas duas semanas precedeu doze meses de compras implacáveis.

Para recapitular, o peso do dólar em relação à cesta das principais moedas estrangeiras cresceu cerca de 14,3% em um ano, principalmente porque os mercados buscaram refúgios seguros contra os temores de um Federal Reserve agressivo e, mais recentemente, em relação ao conflito militar entre a Ucrânia e a Rússia.

Os saldos de caixa entre os gestores de fundos globais cresceram 6,1% em média desde 11 de setembro, mostrou uma pesquisa recente com 288 alocadores de ativos do Bank of America. O relatório também observou que 66% dos gestores de ativos acreditam que os lucros globais enfraquecerão em 2022, levando-os a manter posições em dinheiro “pesadas”.

“O mercado acumulou uma enorme quantidade de dólares nos últimos meses”, disse George Saravelos, estrategista do Deutsche Bank, ao Financial Times, acrescentando que isso está “levando a uma supervalorização muito substancial do dólar”.

Assim, o último recuo do dólar americano pode ter sido uma correção provisória para neutralizar suas condições de “sobrecompra”, como as leituras semanais do índice de força relativa (RSI) do dólar também sugeriram, mostradas no gráfico abaixo.

De uma perspectiva técnica adicional, o DXY pode cair ainda mais em direção a uma linha de tendência ascendente que, como suporte, tem limitado seus movimentos negativos desde janeiro de 2021, conforme mostrado abaixo.

Se ocorrerem mais vendas, o índice provavelmente recuará de sua faixa de resistência atual, com a próxima meta de baixa na linha de 0,786 Fib perto de 100.

Perspectivas mais fortes para o euro

O DXY também recuou no início desta semana quando Christine Lagarde, presidente do Banco Central Europeu (BCE), definiu uma política nova e mais agressiva em 23 de maio.

Lagarde comprometeu-se a aumentar as taxas de juros até setembro de 2022, afastando-se assim da política monetária dovish de uma década do BCE, que resultou em taxas de juros negativas de fato.

Como resultado, as taxas na zona do euro voltariam a zero, cuja perspectiva tornou o euro mais forte em relação ao dólar americano.

Mas, mesmo com a atual crise Ucrânia-Rússia e seu acesso à energia fora do seu controle, a confiança da zona do euro no crescimento dos negócios permanece forte, mostra a recente pesquisa da IFO. Isso significaria mais impulso positivo para o euro, o que poderia pressionar o dólar para baixo.

“Ainda é muito cedo para dizer com confiança que o dólar está agora em uma tendência de enfraquecimento”, disse John Authers, editor sênior da Bloomberg Opinion, acrescentando:

“Mas seu declínio é outra indicação de que a narrativa da ‘estagflação e taxas cada vez mais altas’ está sendo repensada.”

Moedas EM versus Bitcoin

Um DXY mais fraco representa apenas seu peso decrescente em relação às moedas estrangeiras. Mas, uma análise mais profunda do dólar mostra o enfraquecimento do poder de compra em um ambiente de alta inflação. O índice de preços ao consumidor (IPC) estava acima de 8% em abril de 2022.

Como resultado, o dólar americano, embora mais forte do que há um ano, não foi capaz de colocar as moedas dos mercados emergentes em queda livre, interrompendo assim sua correlação negativa amplamente observada.

Notavelmente, os retornos das moedas de países em desenvolvimento, como o real brasileiro e o peso chileno, têm sido superiores ao dólar desde janeiro de 2022.

As moedas de mercados emergentes (EM) tendem a ter um desempenho inferior quando o dólar sobe, principalmente porque os investidores consideram o dólar como seu último refúgio em tempos de incerteza do mercado global. Mas, com os preços das commodities subindo devido à crise Ucrânia-Rússia, os investidores estão repensando sua estratégia.

Enquanto isso, os países que aumentam suas taxas de juros também estão criando um ambiente de investimento melhor para suas moedas, diz Stephen Gallo, chefe europeu de estratégia FX da BMO Capital Markets.

Um trechos de sua declaração ao Wall Street Journal afirma:

“Os bancos centrais de mercados emergentes são forçados a apertar a política para acompanhar o Fed. É isso, ou os controles de capital são impostos.”

O jogo de poder contínuo entre o dólar e as moedas EM deixou o Bitcoin (BTC) sem consideração. Seu valor caiu mais de 50% desde novembro de 2021 e permanece fortemente atrelado com ativos de risco.

No entanto, a correlação negativa de longa data do Bitcoin com o DXY virou positiva esta semana. Isso sugere que um declínio adicional nos mercados de dólar pode não necessariamente desencadear uma recuperação do preço do BTC no curto prazo.

Como o Cointelegraph informou recentemente, as previsões de um fundo macro de US$ 20.000 e ainda muito mais baixos estão ficando mais frequentes à medida que o Bitcoin luta para subir acima da marca de US$ 30.000.

As visões e opiniões expressas aqui são exclusivamente do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Cointelegraph.com. Cada movimento de investimento e negociação envolve risco, você deve realizar sua própria pesquisa ao tomar uma decisão.

LEIA MAIS



Source link

Share to...