Chefe de agência da ONU vê ‘grandes oportunidades’ em criptomoedas: WEF 2022



As Nações Unidas estão encantadas com a tecnologia de contabilidade distribuída (DLT). Em uma conversa com o Cointelegraph no WEF 2022, o diretor do Centro Internacional de Computação das Nações Unidas (UNICC), Sameer Chauhan, explicou as “grandes oportunidades” que ele vê nas criptomoedas.

Ex-executivo financeiro tradicional e chefe da UNICC desde 2018, Chauhan viu a ascensão e queda dos mercados de criptomoedas. Ele compartilhou que grupos como o Banco de Compensações Internacionais (BIS) não querem “perder o bonde” quando se trata de DLTs.

Chauhan explicou que as criptomoedas são tecnologias neutras:

“É uma ferramenta. Você pode usá-lo para o bem ou para lucrar – o que não é ruim. […] No futuro, a criptomoeda será um componente muito forte de como o mundo interage e como eles fazem transações, tornando-se um campo de jogo mais nivelado.”

Um veículo poderoso em termos de “transparência digital” ou “transparência”, as criptomoedas podem incentivar os resultados que a UNICC promove, disse ele. A chave é a implementação de criptomoedas para garantir que elas possam ser “alavancadas corretamente”.

As moedas digitais do banco central, ou CBDCs, podem ser a implementação de tecnologias de contabilidade distribuída nas quais a UNICC se estabelece. À última pergunta feita no Estádio de Hóquei no Gelo de Davos, Chauhan responde: “As CBDCs reduzem o custo” e são mais poderosos que o dinheiro fiduciário ou emitido pelo governo.

No entanto, não há “posição única” quando se trata de agências da ONU em relação às CBDCs, pois há altos níveis de independência e autonomia entre as agências da ONU. De refugiados a crises alimentares e bem-estar das mulheres, a ONU procura resolver esses problemas – e uma CBDC pode ser uma solução:

“Talvez, se pudermos encontrar o modelo certo, alavancar algum tipo de CBDC, a interação com os constituintes para os quais fomos projetados para servir possa ser sem atrito – poderia ser mais suave e transparente.”

Um tópico quente no WEF 2022, alguns banqueiros ligaram para apertar os freios de qualquer lançamento da CBDC, pois ainda há muitas incógnitas. A rede de pagamentos SWIFT foi questionada durante um painel de discussão da CBDC no WEF, onde o CEO da Mastercard, Michael Miebach, brincou que o SWIFT não existiria em cinco anos.

Seja uma CBDC ou uma stablecoin com a qual a ONU já experimentou ao ajudar refugiados ucranianos, Chauhan conclui que, quando se trata de criptomoeda, “de onde estamos, vemos enormes oportunidades”.

VEJA MAIS:

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Source link

Share to...