Binance responde às acusações de lavagem de dinheiro da Reuters



A exchange de criptomoedas Binance publicou uma longa resposta a um artigo publicado pela Reuters que afirma que a exchange tem sido um “hub para hackers, fraudadores e traficantes de drogas”, dizendo que há pelo menos “US$ 2,35 bilhões em fundos ilícitos” lavados dentro da exchange.

Em uma postagem no blog, a Binance abordou a questão e observou que as alegações do artigo não são apenas falsas, mas também são tentativas de certas partes interessadas de “enganar o público em geral” espalhando desinformação. A Binance escreveu:

“Nós sugerimos que você ignore os autores e especialistas que escolhem dados, confiam em “vazamentos” convenientemente não verificáveis ​​de reguladores e alimentam o culto da paranoia cripto por fama ou ganho financeiro. Em vez disso, basta olhar para os fatos.”

A exchange também apontou que as plataformas financeiras tradicionais são mais contaminadas com fundos ilícitos do que criptomoedas, que são transparentes por natureza. Além disso, a exchange citou estatísticas das Nações Unidas de que 2% a 5% do dinheiro fiduciário está associado a atividades ilícitas.

Por fim, na postagem do blog, a Binance publicou sua correspondência por e-mail com a Reuters. Isso inclui as respostas completas da Binance às perguntas da Reuter antes de publicar o artigo que criticava a Binance.

Na segunda-feira (06/06), a Reuters publicou um relatório especial alegando que a exchange Binance está envolvida em lavagem de dinheiro envolvendo fundos ilícitos em bilhões. De fraudes de investimento e transações na darknet a proteções fracas de Conheça-Seu-Cliente  (KYC) e Anti-Lavagem de Dinheiro, o meio de comunicação fez sua crítica à exchange.

Em fevereiro, a exchange também enfrentou uma investigação da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) sobre o relacionamento da exchange com as empresas de criação de mercado Sigma Chain AG e Merit Peak, que se envolvem na compra e venda de ativos digitais na  exchange Binance.US.

VEJA MAIS:

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Source link

Share to...