FMI recomenda CBDCs ecologicamente corretas e mecanismos não-PoW para pagamentos


Um estudo do Fundo Monetário Internacional sobre consumo de energia revelou a importância das escolhas de design dentro do ecossistema de criptomoedas para construir um sistema de pagamento convencional ecologicamente correto.

No estudo, intitulado “Moedas Digitais e Consumo de Energia”, o FMI examina o consumo de energia de criptoativos com base em seus elementos de design distintos para avaliar o mecanismo ideal para o desenvolvimento de moedas digitais do banco central (CBDCs).

Estimativas de uso de energia (em kWh) por transação para o processamento central de diferentes sistemas de pagamento. Fonte: FMI

Compartilhando as bases para discussões de políticas sobre os impactos ambientais das moedas digitais, o FMI recomenda se afastar dos aplicativos de tecnologia de contabilidade distribuída baseados em prova-de-trabalho, acrescentando:

“Em particular, estima-se que o Bitcoin, a aplicação mais conhecida desse tipo, consuma muita energia (cerca de 144 TWh [terawatt-hora]) por ano. Embora as soluções de escalabilidade reduzam o custo de energia por transação, elas não reduzem o gasto geral de energia.”

No entanto, a organização internacional reconheceu a alta eficiência energética trazida por criptoativos não-PoW e permissionados quando comparados com o sistema financeiro tradicional:

“O potencial de criptoativos permissionados não-PoW para reduzir o consumo de energia em relação ao sistema de pagamento existente vem da economia de energia nas arquiteturas de processamento principais e nos meios de pagamento do usuário.”

O FMI recomenda que os bancos centrais “criem CBDCs com o objetivo explícito de serem ecologicamente corretas”. Isso significa selecionar plataformas, hardware e opções de design com “uma pegada de carbono menor do que os sistemas legados dos bancos centrais” desde a fase de experimentação.

Além de componentes ecologicamente corretos, os bancos centrais recomendados pelo FMI incluem outros recursos nas CBDCs, como conformidade, maior resiliência e recursos offline.

O FMI também aponta que os formuladores de políticas considerarão a integração de criptomoedas ou CBDCs, avaliando o impacto ambiental do design subjacente da tecnologia. Estima-se que o consumo anual de energia do sistema global de pagamentos seja de 47,3 TWh – correspondendo aproximadamente ao consumo anual de economias como Portugal e Bangladesh.

Juntando-se à causa para lidar com as mudanças climáticas, a Iota Foundation, uma provedora de ecossistema DLT sem fins lucrativos, fez parceria com a Dell Technologies para desenvolver um sistema de rastreamento de pegada de carbono em tempo real.

Fizemos uma parceria com @Iota, BioE e @ClimateCHECK para desenvolver o rastreamento da pegada de carbono em tempo real por meio de um tecido de confiança de #dados!

Ouça como o #ProjectAlvarium rastreia com precisão as pegadas de carbono com as soluções #DellTech Edge.

https://t.co/u5CxmbMBAL@Intel #IOTA #Sustentabilidade pic.twitter.com/52RENnEW3X

— Dell Edge & Telecom (@Dell_Edge) 6 de junho de 2022

A iniciativa trará rastreamento quase em tempo real das emissões de carbono da instalação de energia e compostagem sustentável da BioE. Mathew Yarger, chefe de sustentabilidade da Fundação Iota, declarou:

“Agora podemos rastrear e verificar dados sobre as mudanças climáticas e como estamos tentando ativamente abordá-las em um nível que nunca foi alcançado antes.”

VEJA MAIS:

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Source link

Share to...