UNFCCC avalia casos de uso de blockchain para combater as mudanças climáticas com o Cointelegraph


A Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), juntamente com empresários comprometidos com as mudanças climáticas e o Cointelegraph, discutiram o papel de tecnologias emergentes, como blockchain, na solução de problemas globais, incluindo as mudanças climáticas.

Durante a conferência de imprensa DigitalArt4Climate, a editora-chefe do Cointelegraph, Kristina Cornèr, subiu ao palco para explicar as várias iniciativas de blockchain que combatem ativamente as mudanças climáticas.

A iniciar a conversa foi Anna Dart, um avatar digital da DigitalArt4Climate que compartilhou a ideia de reunir artistas para inspirar as mudanças climáticas:

“Somos abençoados por ter a oportunidade de impactar nosso mundo com o poder transformador da arte e a tecnologia blockchain ecologicamente correta juntos.”

Como parte da iniciativa, as artes digitais dos finalistas serão exibidas como tokens não fungíveis limpos (NFT) em várias iniciativas da ONU relacionadas às mudanças climáticas. Miroslav Polzer, fundador e CEO da IAAI e diretor estratégico da Climate Chain Coalition, assumiu a conversa ao explicar a próxima fase da iniciativa – que envolve a mobilização de recursos ou fundos.

Painelistas na conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas. Fonte: UNFCCC

Polzer explicou que a venda do NFT limpo visa apoiar a iniciativa dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas com foco na juventude – com 15% da receita indo para os artistas, 35% para o Youth Climate Action Fund.

Os 50% restantes serão dedicados à infraestrutura institucional e tecnológica para partes interessadas, incluindo a gestão DigitalArt4Climate, a configuração DAO da United Citizens Organization, educação e GloCha GoodLifeApp. 

Mergulhando nos aspectos técnicos dos NFTs para mudanças climáticas, Irina Karagyaur, chefe de crescimento de ecossistemas e BD da Unique Networks, falou sobre trazer de volta o poder aos criadores e às pessoas.

Ela apoiou a decisão da Unique Networks de construir NFTs de proof-of-stake (PoS) sobre Polkadot, citando a necessidade de uma pegada de carbono menor, especialmente ao combater as mudanças climáticas:

“Em geral, o setor está migrando para PoS para permitir iniciativas climáticas e ESG e para melhorar e reduzir o consumo de energia em 99%.”

Dolphine Magero, CEO da Global Youth Climate Action Fund Institution, também destacou a importância de incluir artistas que desejam se juntar à luta global contra as mudanças climáticas.

De acordo com Karagyaur, cunhar um NFT no Unique equivale a emitir uma pegada de carbono de uma única respiração humana, que pode ser usada para impulsionar a ação climática. De olho na ampla adoção da tecnologia, a Unique Networks lançou um mercado de NFT aberto, no qual os artistas podem cunhar NFTs ecologicamente corretos para impulsionar várias iniciativas de mudanças climáticas:

“Existe um oceano azul para fazer o bem, por favor, entre em contato conosco, nos apresente sua ideia e faça parte do movimento.”

Relacionado: Iota Foundation se une à Dell para desenvolver rastreamento de pegada de carbono em tempo real

A equipe de soluções de ponta da Dell anunciou a integração da Iota Foundation, empresa de tecnologia focada em mudanças climáticas ClimateCHECK e BioE para desenvolver uma solução em cima das iniciativas internas do Data Confidence Fabric (DCF) e do Project Alvarium da Dell.

Mathew Yarger, chefe de sustentabilidade da Fundação Iota, declarou :

“A transparência e a confiança nos dados são fundamentais para abordar as questões globais das mudanças climáticas e a transição para a ação climática.”

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Source link

Share to...