Duas exchanges nacionais anunciam a listagem de 16 novas criptomoedas para os usuários brasileiros



A exchange Brasil Bitcoin anunciou a listagem de dois novos ativos do universo cripto que estão em alta: Quant e Band Protocol. Segundo a empresa, a estratégia com essa inserção visa dar mais oportunidades para seus investidores diversificarem ainda mais suas carteiras.

Quem também anuniou a listagem de novos ativos foi a BlueBenx que anunciou a listagem de 14 novos criptoativos. São eles: Ethereum Classic, Monero, Decentraland, Hedera, VeChain, Internet Computer, Filecoin, ApeCoin, Elrond, Theta Network, Fantom, Aave, PancakeSwap e Gala. 

“O mercado de ativos digitais está cada vez mais aquecido. Os números do BC e do FED mostram exatamente esta tendência no setor como um todo. Por isso, a BlueBenx trabalha diariamente para ampliar seu portfólio cripto, o que faz-se importante para a diversificação dentro da plataforma”, detalha Roberto Cardassi, CEO da fintech. 

Além dos novos ativos listados, a BlueBenx planeja listar outros oito ao longo do mês de julho. Segundo o vice-presidente de operações da fintech, William Batista, esse movimento visa novas possibilidades de escolha aos clientes. 

“Com os novos ativos listados na nossa plataforma, os entusiastas deste mercado poderão escolher entre 40 opções de criptomoedas. Introduzimos essas novas opções em nossa exchange porque acreditamos na criptoeconomia e queremos que os nossos clientes se habituem com estas novas ideias e opções”, destaca Batista.

Confira todas as criptomoedas que serão listadas nas duas exchanges.

Quant

Quant é uma solução plug-and-play que conecta diferentes blockchains e software corporativo sem a necessidade de nova infraestrutura. Diferentes blockchains se comunicam usando tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) e interfaces de programação de candidatos (APIs) no gateway de API do Overledger.

A moeda QNT é uma forma de criptomoeda nativa da rede Quant – e também é uma moeda compatível com ERC20 (sendo que Quant existe na rede Ethereum). A QNT é normalmente considerada um token utilitário, pois é usada para pagar por aplicativos e serviços no Quant e pode ser usada para staking/hold e pagamento de taxas de licenciamento.

Band protocol

O Band Protocol é um projeto oracle descentralizado que conecta os dados do mundo ao ecossistema blockchain. Ele usa um blockchain público – apelidado de BandChain – que permite que qualquer entidade solicite dados de interfaces de programação de aplicativos (APIs) ou outros serviços da web tradicionais.

Ethereum Classic (ETC)

O Ethereum Classic é uma plataforma descentralizada focada na execução dos chamados “contratos inteligentes”: operações feitas automaticamente quando certas condições são cumpridas.

Além disso, ela é usada nas operações de sua própria moeda, o Ether, e também de outros ativos que usam este sistema. A plataforma foi criada pelo programador canadense Vitalik Buterin em 2013, sendo colocada no ar em julho de 2015.

Monero(XMR)

A Monero é uma criptomoeda de código aberto criada em abril de 2014. Seu objetivo é ser não rastreável, ou seja, foca em privacidade e descentralização, com carteiras disponíveis para Windows, macOS, iOS, Linux, Android e FreeBSD.

Decentraland (MANA)

A Decentraland é um universo virtual construído na blockchain do Ethereum (ETH). O MANA é o token nativo da plataforma. Desde outubro de 2021, mês em que o Facebook mudou seu nome para “Meta”, o preço da MANA registrou um grande salto em seu valor.

Hedera (HBAR)

A criptomoeda Hedera Hashgraph é uma rede pública descentralizada que torna o mundo digital exatamente como deveria ser. A criptomoeda nativa da rede pública Hedera é HBAR. Hedera Hashgraph é uma plataforma que se apresenta como alternativa mais rápida e segura ao blockchain.

VeChain (VET)

A VeChain é o token do projeto Vechain, uma plataforma de cadeia de suprimentos alimentada por blockchain que consiste em três partes: Thor, Connex e Sync. VeChainThor é um blockchain público que deriva seu valor de atividades criadas por membros dentro do ecossistema, resolvendo problemas econômicos do mundo real.

Internet Computer (ICP)

Internet Computer é um token utilitário que permite aos utilizadores participar e controlar a rede do blockchain Internet Computer. A rede visa ajudar os programadores a criar websites, sistemas de TI empresariais, serviços da internet e aplicações DeFi “instalando o código diretamente na internet pública”.

Filecoin (FIL)

Filecoin é um provedor de base de dados não centralizado que permite que os usuários guardem seus arquivos em um sistema sem uma base central. Ele opera usando dois conjuntos de tecnologias: IPFS e a rede de mineração Filecoin. A rede Filecoin é desenvolvida pela Protocol Labs, sendo a FIL seu token nativo.

ApeCoin (APE)

ApeCoin tem utilidade como passe de associação e token de governança da organização autônoma descentralizada (DAO), onde cada detentor de token pode votar no uso do Ecosystem Fund ou apresentar suas próprias propostas. O token também pode ser usado como moeda aberta para pagamentos e transações sem intermediários centralizados.

Elrond (EGLD)

Elrond (EGLD) é um protocolo blockchain que busca oferecer velocidades de transação extremamente rápidas usando sharding. O blockchain possui um token nativo conhecido como EGLD, usado para pagar taxas de rede, staking e validadores de recompensa. Elrond foi anunciado pela primeira vez em agosto de 2019 e sua rede principal foi lançada em julho de 2020.

Theta Network (THETA)

Theta é uma rede baseada em blockchain desenvolvida especificamente para streaming de vídeo. Lançada em março de 2019, a rede principal Theta opera como uma rede descentralizada onde os usuários compartilham largura de banda e recursos de computação ponto a ponto. O projeto é assessorado por Steve Chen, cofundador do YouTube e Justin Kan, cofundador da Twitch.

Fantom (FTM)

Fantom é uma plataforma de contrato inteligente de gráfico acíclico dirigido (DAG) que fornece serviços de finanças descentralizadas (DeFi) para desenvolvedores usando seu próprio algoritmo de consenso sob medida. Com seu token interno FTM, a Fantom visa resolver problemas associados a plataformas de contrato inteligente, especificamente velocidade de transação. 

Aave (AAVE)

Aave é um protocolo financeiro descentralizado que permite que as pessoas emprestem e tomem emprestado criptomoedas. Os credores ganham juros depositando ativos digitais em pools de liquidez especialmente criados.

Os mutuários podem então usar suas criptomoedas como garantia para fazer um empréstimo rápido usando essa liquidez. O ativo era originalmente conhecido como ETHLend, quando foi lançado em novembro de 2017, mas o rebranding para Aave aconteceu em setembro de 2018. 

PancakeSwap (CAKE)

O PancakeSwap foi lançado em setembro de 2020 e é uma exchange descentralizada para troca de tokens BEP20 na Binance Smart Chain. O PancakeSwap usa um modelo de formador de mercado automatizado em que os usuários negociam em um pool de liquidez. 

Gala (GALA)

A Gala Games visa levar a indústria de jogos em uma direção diferente, devolvendo aos jogadores o controle sobre seus jogos e dos ativos do jogo com a ajuda da tecnologia blockchain. Desde o lançamento, em 2019, cresceu para 1,3 milhão de usuários ativos mensais e 26.000 NFTs foram vendidas, com a peça mais cara avaliada em US$ 3 milhões.

LEIA MAIS



Source link

Share to...