Plataformas de NFT na China crescem 5 vezes em quatro meses, apesar dos avisos do governo



A popularidade dos tokens não-fungíveis (NFTs) está aumentando, pois dados recentes mostram que o número de plataformas de digitais colecionáveis ​​na China cresceu para mais de 500, um aumento de 5 vezes em relação a fevereiro de 2022, quando o número total de plataformas NFT era pouco mais de 100.

De acordo com um relatório publicado por um diário chinês local, o aumento acentuado no número de plataformas NFT ocorre em meio ao crescente hype e popularidade dos colecionáveis ​​digitais no país. Gigantes da tecnologia, incluindo Tencent e Alibaba, mostraram interesse no espaço nascente e registraram várias patentes de marca registrada.

O aumento do interesse em colecionáveis ​​digitais na China ocorre apesar de vários avisos das autoridades locais. As agências governamentais acreditam que o mercado chinês de NFT está repleto de especulações com foco no mercado secundário, o que traz riscos inerentes aos investidores.

Os NFTs também se tornaram uma maneira de as pessoas se expressarem digitalmente durante os rigorosos bloqueios induzidos pela COVID-19 na China. Os moradores de Xangai listaram centenas de NFTs no Opensea em maio, no auge do bloqueio do governo.

Devido à falta de supervisão regulatória, indivíduos e empresas continuam a se envolver com colecionáveis ​​digitais, mas com uma abordagem cautelosa para evitar qualquer conflito direto com as autoridades. Recentemente, o Alibaba lançou uma nova solução NFT e imediatamente excluiu todas as menções on-line.

Empresas afiliadas ao Alibaba, como Ant Group e Tencent Holdings, agiram para evitar qualquer possível retrocesso regulatório no passado, marcando seus NFTs listados como “colecionáveis ​​digitais”. Eles também são oferecidos em blockchains privadas e são negociados/comprados usando moeda fiduciária chinesa.

Da mesma forma, vários gigantes da Internet e as principais plataformas de mídia social na China estão em conflito com a clareza regulatória sobre NFTs e decidiram remover vários mercados de suas plataformas temendo uma repressão do governo.

A postura estrita do governo de Pequim em relação ao mercado de criptomoedas é bem conhecida, no entanto, a proibição da tecnologia descentralizada se mostrou inútil. A proibição de mineração de criptomoedas, que uma vez levou a um declínio de 50% na taxa de hash da rede BTC, não conseguiu eclipsar completamente a indústria de mineração no país e, atualmente, a China está de volta ao segundo lugar depois dos Estados Unidos em termos de contribuição de energia de hash para a rede Bitcoin (BTC).

VEJA MAIS:

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Source link

Share to...