Tribunal chinês invalida venda de carro de 2019 feita usando criptomoeda que perdeu valor



Na semana passada, um post do WeChat publicado pelo Tribunal Fengxian de Xangai começou a circular nos círculos de criptomoedas sobre sua recente decisão sobre uma venda de carros em maio de 2019 feita com moeda digital. Na época, o comprador, identificado apenas como Sr. Huang, assinou um contrato de venda para comprar um Audi AL6 2019 por 409.800 yuans chineses, ou US$ 59.477 no momento da redação, em troca da consideração de 1.281 tokens Unihash (UNIH) com uma concessionária de carros não revelada em Xangai. De acordo com o contrato original, o vendedor deveria entregar o carro a Huang dentro de três meses.

De acordo com o Tribunal Fengxian de Xangai, o Sr. Huang pagou 1.281 UNIH na data da assinatura do contrato, mas não recebeu o carro dentro do prazo especificado nem depois. Como resultado, o Sr. Huang levou o vendedor ao tribunal, exigindo a entrega do veículo e o pagamento de 0,66% de juros diários do valor da transação em danos por cada dia que o carro não fosse entregue além do prazo original.

O caso levou mais de três anos até que um veredicto fosse alcançado em junho. Citando regulamentos em setembro de 2017 que evoluíram para o que hoje é conhecido como proibição de criptomoedas na China, o Tribunal Fengxian de Xangai disse que os ativos digitais “não podem e não devem ser usados ​​como moeda para circulação nos mercados” e que o uso de tokens digitais como como UNIH em vez de dinheiro fiduciário como uma contraprestação em contratos diários estava violando a respectiva regulamentação que substitui esses contratos em si. Portanto, o contrato de venda foi considerado nulo e sem efeito. O comprador não recebeu indenização, entrega do carro, nem reembolso de seus 1.281 UNIH.

Não está claro como o vendedor concordou com uma taxa de conversão de 1 UNIH = 320 yuan chinês, conforme estipulado no contrato original. O Unihash era supostamente um token de pagamento digital desenvolvido para comércio eletrônico em 2018 e estava disponível apenas para investidores privados sem oferta pública inicial de moedas (ICO). Logo após seu lançamento, surgiram rapidamente alegações nas redes sociais chinesas que rotulavam o projeto como uma “fraude” e que suas métricas de token, bem como o histórico da empresa, teriam sido inflados grosseiramente para atrair investidores.

Atualmente, o projeto parece estar abandonado sem vínculo com redes sociais, sem listagem de mercado e sem atividade de desenvolvimento adicional. Além disso, a empresa por trás da UNIH não atingiu nenhum de seus objetivos listados em seu white paper original. Uma dessas promessas feitas aos investidores no documento incluía: “O que pode ser certo é que o token Unihash pode aparecer em várias exchanges até o quarto trimestre de 2019”.

LEIA MAIS

Siga-nos nas redes sociais

Siga nosso perfil no Instagram e no Telegram para receber notícias em primeira mão!





Source link

Share to...