More
    InícioG1Economia do couro movimenta pequenos municípios do sertão baiano | Globo Rural

    Economia do couro movimenta pequenos municípios do sertão baiano | Globo Rural

    Publicidade - OTZAds

    A cultura dos vaqueiros está presente na literatura de cordel, que traz orgulho e coragem para enfrentar os desafios desta profissão no sertão da Bahia.

    Publicidade - OTZAds

    Assim como o cordel, que passa por diferentes gerações, o ciclo do couro reforça os laços desta tradição por meio dos artesãos e movimenta a economia nos municípios baianos.

    Em Uauá, o cordel faz parte da família do vaqueiro aposentado Jaime Ribeiro. Ele foi alfabetizado por meio dos versos e é casado com Fátima, que é cordelista. A filha deles Erica, que prefere ser chamada de Pok, seguiu os passos dos pais e é poetisa. Já o genro Heitor Rodrigues fez um livro em homenagem aos vaqueiros.

    • Assista a todos os vídeos do Globo Rural

    Os artesãos também são responsáveis por transmitir os saberes populares e movimentam a economia. Em Jaguarari, por exemplo, ficam os responsáveis por fazer a maioria das peças de couro na região.

    Já os artesãos Josino Duarte e o filho Pedro Borges trabalham no quintal de casa e fazem o uniforme completo do vaqueiro. Na mesma região, José Alves é o único a fazer selas de cavalo. Ele aprendeu o ofício com o pai e, por não conseguir passar o conhecimento para outras pessoas, suas criações correm o risco de virar objetos de colecionador.

    Para preservar essa riqueza cultural, o historiador Danilo Rodrigues, que é neto de vaqueiro, idealizou o Museu do Vaqueiro. Com mais de 2 mil peças, o espaço tem como objetivo estimular os mais jovens a fazer parte dessa história e passar o conhecimento para as futuras gerações.

    Saiba mais na reportagem completa no vídeo acima.

    Vídeos mais assistidos do Globo Rural

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Por favor digite seu comentário!
    Por favor, digite seu nome aqui

    Must Read

    spot_img
    Share to...