Despensa sem cerveja, sem bacon e sem beijos – 18/11/2022 – Cozinha Bruta
ENTRETENIMENTO

Despensa sem cerveja, sem bacon e sem beijos – 18/11/2022 – Cozinha Bruta


A proibição da venda de cerveja nos estádios da Despensa do Mundo, no Qatar, pegou a Fifa de calças curtas –mas é bom ela tratar de revestir rápido os joelhos, pois a exposição das pernas é alguma coisa indecente pelas leis locais.

Na véspera do pregão da lei seca, a Folha já havia publicado um texto sobre o perrengue que é molhar a gasganete no país-sede do mundial de futebol, uma reino absolutista islâmica.

Esforço de reportagem e de autoajuda: nas Copas, as equipes estrangeiras de jornalistas formam uma comunidade mais ou menos coesa que procura, porquê todos os outros visitantes, diversão quando o expediente acaba. E diversão, na cultura do futebol, quase sempre envolve tomar umas cervejas.

O veto à cerveja fez estardalhaço porque envolve um contrato de US$ 75 milhões com a Budweiser, mas não é a única restrição comportamental –e está longe de ser a mais cruel.

É vetado o consumo de músculos suína, por exemplo. Bacon, presunto e linguiça não fazem secção da dieta do Oriente Médio –o porco é considerado imundo tanto pelo islamismo quanto pelo judaísmo.

Na Despensa do Qatar as delegações estrangeiras estão proibidas de incluir músculos de porco na alimento de jogadores e percentagem técnica.

A norma draconiana impacta em próprio a equipe espanhola. “Para torneios longos, os cozinheiros da Roja costumam embarcar uma centena de presuntos de subida qualidade, o jamón ibérico de bellota”, diz um item do jornal italiano Gazzetta dello Sport.

Já o quotidiano espanhol Marca fala de um manual, expedido pela embaixada alemã em Doha, que alerta os concidadãos do risco de camuflar salsichas e salsichões na bagagem da Despensa.

Proibir salsicha, cerveja e cigarro eletrônico (sim!) chega a ser folclórico perto do rigor com o vestuário e as manifestações públicas de afeto, porquê beijos, em próprio entre pessoas do mesmo sexo –a homossexualidade é transgressão no Qatar.

A reino qatari se comprometeu a relaxar essas regras para os turistas do futebol. Vale lembrar que ela também se comprometeu a liberar a venda de cerveja nos estádios –e mandou pras cucuias o compromisso.

Porque o Qatar é uma ditadura. Ditaduras só têm compromisso consigo mesmas.

A última Despensa jogada sob uma ditadura foi a da Argentina, em 1978. Coincidentemente, a primeira de que eu me lembro de alguns jogos.

Apesar da pressão internacional, a Fifa insistiu na disputa do torneio, usado politicamente pelos militares sob o comando do sevo Jorge Rafael Videla.

A seleção argentina precisava lucrar do Peru por pelo menos quatro gols para passar à final. Venceu por 6 a 0 num jogo em que o contendor claramente fez corpo tenro. As acusações de depravação ficaram por isso mesmo, e o time dos ditadores foi vencedor.

Difícil ter marmelada capaz de levar o time do Qatar para além da tempo de grupos. Mas vá saber o que nos suplente uma Despensa que já começa toda errada. Futebol, tirania e depravação são três caixinhas de surpresa.

(Siga e curta a Cozinha Bruta nas redes sociais. Acompanhe os posts do Instagram e do Twitter.)


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul inferior.



Leave feedback about this