Podcast Projecto Universal: Em semana em morre a ativista Hebe de Bonafini, é oportuno ver “Argentina, 1985”, que revê julgamento da ditadura – 25/10/2022
NOTÍCIAS URGENTES

Podcast Projecto Universal: Em semana em morre a ativista Hebe de Bonafini, é oportuno ver “Argentina, 1985”, que revê julgamento da ditadura – 25/10/2022


Destaque do Projecto Universal 121, o longa “Argentina, 1985” é o grande sucesso do cinema prateado deste ano e é assinalado uma vez que um dos favoritos ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro 2023. Na semana em que o mundo perdeu a ativista Hebe de Bonafini, é oportuno trazer novamente o filme à taxa e testemunhar e debater seu significado para se entender a luta pela democracia na Argentina e em toda a América Latina. (ouça a partir do minuto 39:50).

Hebe foi uma das criadoras e presidente da associação Mães da Terreiro de Maio, criada para lutar e deslindar o paradeiro dos tantos desaparecidos durante a ditadura Militar na Argentina (que durou de 1976 a 1983). Ela e todas as mães que até hoje lutam contra a ditadura e pela democracia na Argentina estão representadas no filme dirigido por Santiago Mitre e estrelado por Ricardo Darín.

Em papeleta na Amazon Prime Vídeo, o filme conta a história real do “Juicio de 1985”, julgamento dos crimes cometidos pelos militares durante a Ditadura Militar na Argentina. Entre tantos presentes nas sessões reais, recriadas no filme, as Mães de Maio foram figuras de destaque e tiveram, aliás, de tirar o simbólico lenço que usam da cabeça durante o julgamento, pois os acusados alegaram que a plateia deveria ser, em linhas gerais, neutra. Ao final da trama, elas tremulam seus lenços, que até hoje são símbolos de resistência contra qualquer governo ditatorial e contra atentados aos direitos humanos básicos e à democracia.

Ricardo Darín, o procurador Strassera e Peter Lanzani, seu adjunto, Luis Moreno Ocampo em "Argentina 1985" - Divulgação - Divulgação

Ricardo Darín, o procurador Strassera e Peter Lanzani, seu contíguo, Luis Mulato Ocampo em “Argentina 1985”

Imagem: Divulgação

Na trama, Darín vive o promotor Júlio Strassera que, ao lado de Luis Mulato Ocampo (Peter Lanzani), lideraram, em 1985, uma equipe que investigou e processou militares de subida patente que comandaram as Forças Armadas argentinas no período em que ocorreram milhares de prisões, torturas, violações, assassinatos, entre outros crimes contra a humanidade e contra os que se opunham ao regime ditatorial militar.

No incidente do Projecto Universal, Flavia Guerra, Thiago Stivaletti e a convidada Mariane Morisawa analisam a valimento do filme, que, apesar de racontar um roupa ocorrido há mais de 35 anos, tem pontos de contato diretos com o mundo atual e com o Brasil que, ao contrário da Argentina, decretou Anistia e nunca julgou os crimes cometidos pela Ditadura Militar brasileira.

“Acreditamos que podemos e que podíamos e achávamos que o “Nunca Mais”, uma vez que disse o promotor Strassera, seria para sempre. Mas a violência segue existindo e acreditamos que o filme serpente uma vitalidade que nós não pensávamos que cobraria”, comentou o cineasta Santiago Mitre durante o festival de Veneza 2022, quando o filme fez sua estreia mundial.

“A Argentina até hoje continua julgando os responsáveis e teve uma Ditadura mais curta e mais violenta, mas a Ditadura Brasileira foi mais longa e muito destruidora. Ela destruiu várias estruturas a ponto das pessoas brasileiras não saberem o que foi de roupa a Ditadura”, analisou Mariane Morisawa. (ouça em 43:00).

Flavia Guerra entrevistou Ricardo Darín em Veneza e um trecho da entrevista integra levante incidente (ouça a partir de 46:00). “”Com as interrupções militares, que nos destruíram conscientemente. É necessário o tirocínio da democracia de forma pacífica. Estamos sempre andando em ciclos, à mercê dos movimentos. Somos muito jovens. Precisamos transitar e transitar para perceber que temos de lutar contra a intolerância”, disse o ator.

Cena de 'Armageddon Time", que estreia ainda este ano no Brasil  - Divulgação  - Divulgação

Armageddon Time

Imagem: Divulgação

Na edição, que trouxe os destaques da Mostra de SP, alguns filmes ainda não podem ser conferidos nos cinemas e nem no streaming, mas a edição já traz as dicas para que os cinéfilos que não puderam conferir as produções durante o evento já anotem os filmes mais aguardados do giro para 2023. Entre eles, estão os mexicanos uma vez que “Dos Estaciones” e “Véu de Joias”; o americano “Armageddon Time”; que estreia ainda neste ano, e o russo “História de Fadas”, de Aleksandr Sokúrov. (ouça a partir do minuto 00:10)

Projecto Universal é distribuído às segundas-feiras em Splash UOL. No programa, Flavia Guerra e Thiago Stivaletti conversam sobre o ponto que mais amam na vida: cinema. Os grandes lançamentos de Hollywood, o melhor do cinema brasílio, os filmes de responsável do mundo todo que estão bombando nos festivais. As estreias da semana nas salas, dicas do streaming e muito mais. Você pode ouvir o podcast “Projecto Universal” em plataformas de áudio uma vez que Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts, além do Youtube de Splash.



Leave feedback about this